Go to Top

Fertilizantes estão entre os principais itens importados pelo Mato Grosso

Mato Grosso exportou até maio US$ 6,52 bilhões em produtos, o que representa uma variação negativa de 5,52% no comparativo com os cinco primeiros meses de 2016. O resultado foi puxado pela queda em 79,35% nas negociações de milho e em 35,22% no algodão. A soja significa mais de 67% dos embarques.

Levantamento divulgado recentemente pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), revela que as importações realizadas por Mato Grosso somaram US$ 604,62 milhões, um incremento de 18,31% no comparativo com o ano passado. Ainda segundo a pasta do Governo Federal, o saldo da balança comercial, diferença entre exportações e importações, registrou superávit de US$ 5,91 bilhões.

Dos US$ 6,52 bilhões exportados em produtos por Mato Grosso US$ 4,39 bilhões, ou seja, 67,39%, foram em soja, mesmo triturada, exceto para semeadura. Em farelo e resíduos da extração de óleo de soja foram 14%, em torno de US$ 930 milhões.

Ainda conforme o Ministério, a carne bovina congelada, fresca ou refrigerada somou US$ 370,06 milhões, uma participação de 5,7% nos embarques do Estado. O milho em grãos, apesar da queda de 79,35% nas negociações, teve uma participação de 3,8% (US$ 249,57 milhões) nas exportações, enquanto o algodão uma participação de 3% nas negociações totais de Mato Grosso com US$ 197,69 milhões. As carnes de frango (US$ 73,86 milhões) e suína (US$ 38,82 milhões) representaram 1,1% e 0,60%, respectivamente, dos embarques.

Importações

O cloreto de potássio foi o principal item importado por Mato Grosso com uma representação de 31% (US$ 184,88 milhões) nos US$ 604,62 milhões trazidos em produtos do exterior para o Estado.

Adubos ou fertilizantes contendo nitrogênio, fósforo e potássio também estão entre os principais itens importados por Mato Grosso entre janeiro e maio de 2017 representando 25% (US$ 153,31 milhões) dos US$ 604,62 milhões negociados. A ureia, mesmo em solução aquosa, 22%, ou seja, US$ 131,96 milhões.

 

Fonte: Olhar Direto

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone
, ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *